Furador de Sacas

s/d.
Madeira e metal

Os Armazéns Gerais, além de guardarem o café dos produtores, também ofereciam o serviço de rebeneficiamento e formação de ligas com diferentes cafés. Eram responsáveis, ainda, pela emissão do “warrant”, documento que comprovava o depósito do café no armazém e que era utilizado pelos clientes para buscarem financiamento junto aos bancos.

Toda saca, quando entrava no armazém, era furada por um ensacador para se obter uma amostra e determinar o tamanho do grão, por peneira, o que geralmente determinava seu lugar no armazém. O furador podia ser utilizado posteriormente sempre que mais amostras fossem solicitadas. Seu formato cônico e vazado possibilita que a saca seja furada com pouco dano a sua trama e evite uma maior evasão dos grãos pelo buraco.

O objeto foi doado ao Museu do Café por Sérgio Ricardo Lopes dos Reis, em 2004.



Governo do Estado de SP